domingo, 12 de setembro de 2010

PONTCHATEAU FAZ 300 ANOS


PONTCHATEAU - o Calvário de Montfort faz 300 anos
Foi há 300 anos que este grande homem, sacerdote, missionário, tenaz, persistente, Luis Maria de Montfort, lançou mãos à obra na construção deste Calvário, grande, pela sua extensão de 14 hectares, como pela sua dedicação à 'sabedoria da cruz'.
Celebra-se, neste 12 de Setembro , o aniversário da sua construção. Neste dia lá se reuniram muitas centenas de cristãos, muitos associados monfortinos e tantos peregrinos, que quiseram celebrar com júbilo esta data.
Eu já tive a graça de lá estar, mais do que uma vez, mas recordo de modo especial uma peregrinação que reuniu lá, há já bastantes anos atrás (talvez 20) cerca de 5000 emigrantes portugueses, que vivem naquela região de Nantes, e à qual tive a honra de presidir. Foi uma bela experiência, daquelas que se vivem e saboreiam sem se ser muito capazes de as descrever ou explicar.
Também alguns jovens da nossa comunidade paroquial já tiveram a graça de lá ir, de lá estar e de lá participar, há alguns anos atrás numa celebração comemorativa monfortina, ligada à Verdadeira Devoção e esse livro 'd'ouro' que Montfort escreveu.
É um lugar muito, muito monfortino. Ali se pode respirar o autêntico caminho da fé, no âmago da subida a um Calvário que deixa marcas aos que têm a graça de subir até ao cimo.
As comemorações destes 300 anos já se iniciaram localmente há um ano atrás e culminaram neste dia. Aliás o Calvário levou um ano a construir-se, com a colaboração de quase toda a gente da região. O 'Pai de Montfort', como era designado São Luis Maria,conseguiu envolver toda a gente durante a Missão que realizou naquele local.

O Calvário é visitado por mais de 100.000 pessoas durante o ano. Nem todos o fazem por devoção, mas um grande número peregrina até lá para se reencontrar e com a fé e com Montfort. É, ao mesmo tempo, um lugar cultual e cultural.

Este 12 de Setembro é por isso uma data a assinalar, seja para a família monfortina, como para todos os que, de um modo ou outro, se identificam com Montfort. Lá se reuniram milhares de peregrinos, mas muitos mais se uniram nas comunidades locais, pelo mundo.

Para quem quiser ver a celebração e tirar o pó do seu francês aqui vai o link: http://www.mywisdomtv.org/mediadetails.php?key=859a8e1d5c8135fc1d4c&title=Messe+%C3%A0+Pontchateau

segunda-feira, 19 de julho de 2010

A Caminho de Madrid...

Há alguns meses, o nosso Papa veio visitar-nos!



Em 2011, vamos nós ter com ele!

video

sexta-feira, 9 de julho de 2010

DIA DESPORTIVO DA VIGARARIA - 12 JUNHO 2010

Decorreu em Odivelas o dia desportivo da Vigararia.
Participaram os jovens da Póvoa, Odivelas, Caneças, Santo Estêvão das Galés e da Casa do Gaiato.


Póvoa - 1ª Tentativa


Póvoa - 2ª Tentativa


Póvoa - 3ª Tentativa


Casa do Gaiato


Caneças


Odivelas


Momentos






ENCERRAMENTO DA CATEQUESE JOVEM - 5 JUNHO 2010 - ÓBIDOS

quarta-feira, 30 de junho de 2010

A MALUQUINHA DE ARROIOS

Por sugestão superior, permito-me apresentar um retrato fotografico da comédia 'A Maluquinha de Arroios', na sua primeira sessão, a 26 de Junho p.p. Os actores foram contratados aos jovens da 'JM', mas a organização do evento contou com muitos outros apoios, sempre solidários, da nossa comunidade paroquial. Bem haja por terem oferecido estes momentos de bom humor! Até pareciam (sic!) profissionais, ou melhores!

terça-feira, 8 de junho de 2010

Coisas Simples

Partilho convosco um texto que li e gostei.. porque os melhores momentos da vida são, a maior parte das vezes, aqueles que são repletos de simplicidade.


"Gosto dos dias compridos. Da Luz do Sol que se prolonga até à noite. Do tempo que parece eterno. Do olhar que parece infinito.

Gosto de me deitar no chão da sala e ver da janela descerrada as cores que se misturam no céu azul de um fim de tarde quentinho. DE sentir o aroma que anuncia o Verão.

Gosto de contemplar o meu filho a dormir. Gosto de o ver a acordar para a vida. Gosto de lhe mostrar o mundo pela minha mão quando caminhamos lado a lado. E ele mostrar-me que o mundo é, afinal, muito maior do que aquilo que eu sei e conheço.

Passa um avião e ele grita de alegria como se tivesse visto uma coisa muito importante. E fica tão feliz só por o ver voar. Um dia hei-de dizer-lhe que a minha paisagem dilecta é ver um avião a descolar, um comboio a partir, um carro a ser conduzido e uns pés a caminharem pela vida. Ir mais longe. Desbravar. Olhar. Tocar. Sentir. Numa palavra, viver.

Gosto de subir a uma colina só para ver o rio e levar para dentro de mim o desassossego da suave ondulação – interpela os sentidos. Gosto de subir caminhos de terra batida só para me sentar num barroco – descansa o olhar. Gosto de observar e absorver tudo o que contemplo como se estivesse diante de um quadro de Monet – um dos meus pintores favoritos. Gosto de abrir os olhos e saber que tudo o que vejo não cabe dentro de mim. Transcende-me. Vou para outro lugar procurar novos caminhos. Abro um livro e com uma lapiseira sublinho pensamentos, palavras, actos e emoções que ficam comigo. Pouso o livro. Olho para o fio do horizonte e sinto-me bem. Volto a caminhar.

Gosto de regressar a casa e sentir que o mais importante da minha vida está ali concentrado naqueles metros quadrados. Gosto de afectos. Daqueles que me enchem de certezas e indicam que tudo o que faço tem sentido.

Gosto de receber os que me fazem sentir feliz por estar na presença deles – este é um dos meus principais critérios quando escolho as pessoas que quero ter ao meu lado.

Gosto de falar e de fazer silêncio. E quando todos vão embora ter a certeza que não estou nem fico sozinha. Há uns anos entrevistei o psicólogo Eduardo a propósito da solidão e ele dizia que “a solidão é a ausência de pessoas dentro de nós”. Quando todos partem é como se visse o tal avião a descolar carregado de sonhos e expectativas que se levam na bagagem. Onde eu também vou. Viajo com eles e eles viajam comigo.

Gosto de sentir que a felicidade está dentro de nós. Que não é preciso percorrer quilómetros nem milhas para correr atrás dela. Ela está mesmo aqui. Tão perto. É feita de coisas simples que não se vendem em nenhum canto do mundo – mas encontram-se algures no nosso mundo."


Texto de Sílvia Júlio (jornalista), in Revista Família Cristã

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Porque Ele está sempre connosco!


"Queridos Irmãos e jovens amigos, Cristo está sempre connosco e caminha sempre com a sua Igreja, acompanha-a e guarda-a, como Ele nos disse: «Eu estou sempre convosco, até ao fim dos tempos» (Mt 28, 20). Nunca duvideis da sua presença! Procurai sempre o Senhor Jesus, crescei na amizade com Ele, comungai-O. Aprendei a ouvir e a conhecer a sua palavra e também a reconhecê-Lo nos pobres. Vivei a vossa vida com alegria e entusiasmo, certos da sua presença e da sua amizade gratuita, generosa, fiel até à morte de cruz. Testemunhai a alegria desta sua presença forte e suave a todos, a começar pelos da vossa idade. Dizei-lhes que é belo ser amigo de Jesus e que vale a pena segui-Lo. Com o vosso entusiasmo, mostrai que, entre tantos modos de viver que hoje o mundo parece oferecer-nos – todos aparentemente do mesmo nível –, só seguindo Jesus é que se encontra o verdadeiro sentido da vida e, consequentemente, a alegria verdadeira e duradoura.
Buscai diariamente a protecção de Maria, a Mãe do Senhor e espelho de toda a santidade. Ela, a Toda Santa, ajudar-vos-á a ser fiéis discípulos do seu Filho Jesus Cristo."

Bento XVI (Homilia da Eucaristia de Lisboa)

Nós fomos e acreditamos!

[o texto é grande mas vale a pena ler!]


Bento XVI e a Juventude portuguesa



O Papa não desiludirá a juventude portuguesa. Ele vem para suscitar sonhos em nós.
O Papa Bento XVI não é um jovem português. Não veste springfield nem usa sapatos de vela; não navega no twitter nem faz surf na Ericeira; não é do CDUP nem vibra com o Benfica; não é vegetariano nem forcado nas touradas; não liga nada á política nem tem um trauma com a matemática; não canta fado como a Carminho nem é alternativo como os “Flor Caveira”; não resiste a uma mini nem tem automóvel antes de ganhar dinheiro; não abriu um bar na Foz do Porto nem organiza despedidas de solteiros; não abandona a Igreja depois do Crisma nem se oferece para ir a Fátima com os avós; não é fan dos “Gato Fedorento” nem perdeu a pachorra para os “Morangos”; não se mete no “Andanças” nem é fan do “Rock in rio”; não andou nas “Belas artes” nem passa a vida na Gulbenkian; não fez Erasmus em Itália nem sonha com um MBA em Tóquio; não viveu nenhuma “queima das fitas” nem fez uma viagem de finalistas a Cuba, não foi voluntário em S. Tomé nem foi passar nenhuma Páscoa a Taizé; não fez nenhum empréstimo para pagar a primeira prestação da casa nem atrasou o casamento por falta de emprego estável.
O Papa Bento XVI não usa havaianas nem os jovens portugueses falam latim, embora ambos não prescindam das novas tecnologias e gostem de rezar com ipod. Que podem os jovens portugueses esperar do Papa não sendo ele um “papa jovem”? O Papa Bento XVI conhece as expectativas, ousadias e esperanças dos jovens portugueses? Que dirá o Papa aos jovens que querem construir a sua felicidade a partir de Cristo? Responderá o Papa ao desencanto da fé e á desilusão do mundo que tantos jovens experimentam? Que caminhos proporá Bento XVI aos que esperam por respostas mais discernidas e abrangentes para os dilemas das suas próprias existências? Que dirá o Papa aos jovens que, por alguma razão, quase sempre emocional, deixaram de confiar na Igreja e se afastaram da prática da fé? Que dirá o Papa a todos os que se fecharam ao dialogo e consideram a igreja católica uma instituição dispensável?
No programa da visita do Papa Bento XVI a Portugal não existe um momento de encontro específico com a Juventude portuguesa. No entanto, milhares e milhares de jovens estarão presentes em todos os momentos e celebrações da sua visita. O programa http://www.eu-acredito.net/, impulsionado por jovens ligados a Schoenstatt, às Equipas de Jovens de N. Senhora, aos Jesuítas (Cupav) e ao Patriarcado de Lisboa é revelador da expectativa e do empenho de uma ampla e variadíssima conjugação de jovens de inúmeras sensibilidades eclesiais que enriquecem e fazem a Igreja. E todos sabemos, de muitas outras iniciativas juvenis que acompanharão a visita do santo padre como passeios de bicicleta, debates e conferências, peregrinações a pé, até á grande vigília nocturna dos aliados no Porto coordenada pelos universitários do Creu-il, para além da presença nos encontros do santo padre com o mundo da cultura e compromisso social.
Que dirá o Papa aos portugueses? Rever-se-ão os mais jovens nas suas palavras e propostas? O que dirá o Papa, obviamente, não sei. Mas sei que o que disser foi muito rezado, discernido e será proposto como um caminho positivo que nos fará ousar viver a verdade a partir da caridade. É exactamente neste caminho de esperança que o Papa e os jovens portugueses coincidem. O Papa, com a sua belíssima idade e grande sabedoria converge com a juventude portuguesa que anseia por um novo fascínio por Deus e pela Sua liberdade. O nosso querido Papa Bento XVI não é um homem desiludido com a vida e desenquadrado do nosso tempo. Não é um vendedor de sonhos fáceis mas um promotor de vidas agradavelmente exigentes que buscam no discernimento mais caminhos do que soluções. Não é um homem fechado ao diálogo, nem ao progresso. Não é um castrador de novos pensamentos ou visões mas um sábio construtor de mundos com raízes. Não é um profeta da desgraça mas um construtor de pontes e um denunciador das injustiças. É um homem que tem os pés na terra, que conhece como ninguém a grandeza e os dramas da juventude do nosso tempo, a falência das respostas fáceis, assim como as aspirações mais puras e profundas das gerações que querem dar um novo rumo ao futuro. O Papa não tem medo de viver no tempo da nossa post-modernidade líquida, global, fragmentária. Não espanta, portanto, que as aspirações do Papa coincidam com muitos dos sonhos dos jovens portugueses que encontram na matriz cristã da sua cultura as linhas por onde desejam traçar a sua própria identidade e o seu futuro.
É justo esperar que, longe das etiquetas de “conservador” ou “progressista”, o santo padre confirme na inteligência da sua fé e na força seu magistério aquilo que, na perspectiva cristã é inegociável, da defesa da vida, da paz entre os povos, da sustentabilidade do planeta até á condenação do lucro fácil, dos relativismos éticos e sociais, das egolatrias e esquecimento dos mais frágeis.
Haverá lugar para surpresas? Estou convencido que sim. O actual papa é um homem de profundas convicções alicerçadas na sua profundidade intelectual. Mas Bento XVI tem-se revelado um visionário esperançado que sabe ler positivamente os sinais do tempo presente oferecendo propostas, inclusive institucionais, sem romper com a coerência do evangelho. As suas palavras, dirigidas a todos mas acolhidas como “pão para a boca” pela juventude portuguesa poderão, quais “pedras no charco” agitar as nossas elites artísticas, universitárias e culturais, os nossos políticos e todos os agentes sociais. É neste enquadramento que se poderá, inclusive, sonhar e estruturar uma pastoral da juventude alicerçada na erudição dos conteúdos cristãos mantendo a sua vivacidade e frescura.
Que podemos esperar? Acredito que o santo padre não dirá aos portugueses apenas o que já disse noutras ocasiões, a saber, que “o cristianismo não é um conjunto de proibições, uma religião de “nãos”; que “é justa a aspiração á liberdade e felicidade de cada jovem ainda que misturada de inquietude”; que “é importante perder os medos e dar tudo a Cristo porque Ele não tira nada a ninguém mas dá tudo”; que “é preciso recuperar a experiencia vibrante do diálogo com Deus, de lhe abrir o coração, de confiar, de criar laços eternos de amizade”; que “somos chamados á santidade” e que o podemos ser em todas as vocações laicais, religiosas e sacerdotais; que “a vida não se joga fora porque Deus tem um projecto para cada um”; que “discernir a verdade e centrar a vida em si mesmo é uma armadilha total”; que é fatal cairmos nos abismos da droga, do sexo descartável, da obsessão do dinheiro ou do prestígio; Que a família é o matrimónio são “património da humanidade”; que temos que aliar a fé á cultura e á justiça; que Deus tem sentido de humor, etc.
O Papa não desiludirá a juventude portuguesa. Ele vem para suscitar sonhos em nós. Ele sabe que só o amor é digno de fé e conhece os caminhos da verdade que podem conduzir a juventude, na valentia das decisões definitivas á pratica da caridade. O Papa não entende o serviço da Igreja à juventude como uma experiencia emocional, generosa, desenraizada da erudição, da beleza e da inteligência, das exigências e da criatividade da fé. Seria tão bom que o Papa pedisse á juventude portuguesa e aos jovens cristãos em particular, a ousadia de ser capaz de falar ao coração da humanidade, suscitar esperanças, de ampliar os horizontes do conhecimento e do compromisso humano. A juventude portuguesa agradece ao Santo Padre por tamanha coincidência nas perspectivas e nos desejos.
P. Carlos Carneiro sj, coordenador da pastoral juvenil dos Jesuítas

sábado, 8 de maio de 2010

MAY FEELINGS III

Quem acredita em Deus nunca está só...

sexta-feira, 16 de abril de 2010

http://www.eu-acredito.net/

Malta JM! Somos 27, os da JM, que na próxima 3ªf estarão no Terreiro do Paço para participar na Eucaristia presidida pelo Santo Padre Bento XVI! Claro, e depois te termos caminhado desde a Avenida da Lberdade até ao Terreiro do Paço.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Conheces o Papa Bento XVI?

A menos de uma mês da visita papal ao nosso país aqui fica um mini-micro-filme do youtube [Do you know Pope Benedict XVI?]

Boa semana,

Bia

sábado, 10 de abril de 2010

Fotos Via Sacra

Agora ficam aqui mais umas fotos da Via Sacra.

Espero que gostem!

Mais uma vez se alguém quiser outras fotos ou estas com mais qualidade é só dizer-me.

















terça-feira, 6 de abril de 2010

Fotos Retiro JM-Cadetes e Crisma EN

Ora então cá vai a minha primeira participação no blog!

Ficam aqui umas fotos do retiro e do Crisma na Escola Naval. Se quiserem as fotos (estas e outras que também tenho) mandem-me mail.










segunda-feira, 15 de março de 2010

Vem celebrar a Páscoa na Universidade!


5ª feira, 18 de Março
Igreja de Nª Sª Senhora
(Av. Marquês de Tomar gaveto com a Av. de Berna, frente à FCSH)

18,30 h - Encontro
19 h - MISSA
20,15 h - Caminhada até à Alameda da Universidade
21 h - Chegada e "Cruz de Luz"

Das 18 às 19h estarão sacerdotes disponíveis para a celebração do Sacramento da Penitência (confissões)
Transportes
Metro - Campo Pequeno
Comboio - Entre Campos
Carris - 16,26, 56. 56 - paragem Av. de Berna,
todos os autocarros que passam no Campo Pequeno,
ainda 18 e 42 - paragens no cimo da Av. Marquês de Tomar/ Miguel Bombarda

segunda-feira, 8 de março de 2010

Momentos JM

Retiro Setembro 2008
Quinta das Tílias




















domingo, 21 de fevereiro de 2010

Abertura Ano Vicarial - Caneças - 25 Outubro 2009

Depois de termos feito a oração da manhã, apresentámo-nos, uns aos outros, com o jogo "Eu sou a Cristina e o meu gesto é... "O Seguinte teria de dizer "Ela é a Cristina e o gesto dela é. Eu sou...e o meu gesto é...





Depois reunimo-nos em grupos e trabalhámos temas relacionados com o Sacerdócio...

E eis que o relógio não pára...são horas de ensaiar os cânticos para a Eucaristia.





















Após o almoço apresentámos os nossos trabalhos de grupo...